Criptomoedas cada vez mais presentes nos currículos acadêmicos

As novas gerações já devem estar se perguntando: para trabalhar no mercado de criptomoedas ou Blockchain, em que curso devo me formar?

Não existe uma graduação específica no assunto (pelo menos ainda), mas nem tudo está perdido: além da oferta de workshops, que não para de crescer, as próprias faculdades estão criando disciplinas que abordam o tema das moedas digitais.

Os primeiros a se movimentar nesse sentido têm sido os cursos de economia.  Em São Paulo, duas das mais conceituadas escolas de negócios do País, Insper e FIA criaram programas que permitem aos alunos explorar as moedas digitais e o Blockchain sob o mais diversos aspectos.

Nos Estados Unidos, essa tendência já tem algum tempo.

No renomado MIT, por exemplo, o Digital Currency Initiative existe desde 2015.

De caráter interdisciplinar, o programa envolve diversos campi da instituição americana, reunindo pesquisadores nas áreas de economia, tecnologia, direito, entre outros.

Em uma iniciativa precursora, a Universidade de Nicósia, no Chipre, criou em 2013 o primeiro programa de mestrado em moedas digitais, que é oferecido à distância (o primeiro módulo é gratuito e está disponível aqui). O quadro de professores conta com grandes nomes, incluindo o guru das criptomoedas, Andreas Antoponoulos.

Idioma »