Onde os Smart Contracts podem ser usados?

Por se tratarem de um código de programação, os smart contracts são completamente personalizáveis. Esta característica permite que sejam criados com diversas funcionalidades diferentes, oferecendo soluções para os mais diversos tipos de uso.

O fato de serem descentralizados e autônomos, faz com que eles forneçam maior transparência para os processos empresariais, por exemplo, onde acabariam reduzindo custos e tornando os dados completamente auditáveis. Seu uso pode ainda aumentar a eficiência e acabar com despesas burocráticas que rondam os centros empresariais.

Como já pudemos perceber, os smart contracts são muito úteis em situações que resultem em transferências de fundos entre duas ou mais partes. Mas, além disso, eles podem ser criados para uma infinidade de usos como: a criação de ativos tokenizados, sistemas de votação, carteiras criptografadas e até mesmo jogos e aplicativos móveis.

Porém, além de apenas diversão, um smart contract pode ter funções mais sérias e corporativas na área da saúde, caridade, supply chain, governança e finanças.

Para o vice-presidente de tecnologias de Blockchain da IBM, Jerry Cuomo, os smart contracts tem uso garantido em todas as áreas do mercado. Alguns exemplos:

No Governo

Quando se tratam das eleições de novos representantes de uma cidade, estado ou país, sempre surgem dúvidas quanto a segurança das urnas de votação. Embora especialistas digam ser dificílimo que elas sejam hackeadas, não existe um ano em que sua capacidade não seja posta em dúvida.

Um governo que venha a se utilizar de smart contracts durante o processo de computação de votos, garantiria um sistema infinitamente mais seguro para seus eleitores. Todos os votos seriam criptografados dentro da rede onde basicamente ninguém tem um poder de processamento computacional tão alto para acessá-los e fraudá-los. Além disso, teríamos uma facilidade muito grande para realizar o voto, já que tudo seria feito online, sem precisarmos do deslocamento, preenchimento de formulários e aquela pressa de achar um documento perdido em casa para poder ter o direito ao voto.

Na Gestão

A precisão da Blockchain é incrível e acaba por eliminar problemas de comunicação durante os processos de trabalho. Seu único registro é usado como fonte de confiança e é o que garante a transparência e um sistema automatizado, onde todo o processo é simplificado, já que não existe a demora comum onde precisaríamos esperar sempre por um retorno e aprovações da outra parte inserida do negócio.

Um caso interessante foi relacionada a empresa Depository Trust & Clearing Corp. (DTCC)  que no ano de 2015 utilizou um registro de blockchain para processar mais de US $ 1,5 quadrilhão em valores mobiliários, que representaram nada menos que 345 milhões de transações.

Em uma Cadeia de Suprimentos

Para Jeff Garzic, os smart contracts funcionam com a premissa if-then, que em suas palavras:

“A UPS (uma das maiores empresas de logística do mundo) pode executar contratos que dizem: ‘Se eu receber dinheiro em uma entrega neste local em um mercado emergente e em desenvolvimento, então esse outro [produto], muitos, muitos elos acima da cadeia de suprimentos, acionará um fornecedor que cria um novo item para substituí lo, desde que o item existente tenha sido entregue naquele mercado em desenvolvimento.’” 

Frequentemente as cadeias de suprimentos sofrem com sistemas que são baseados no uso do papel, onde estes formulários e planilhas devem passar por diversos canais de aprovação antes que um produto possa andar para frente. Isso tudo faz com que aumente a chance de perdas e fraudes durante o processo. O Blockchain resolve este problema já que fornece uma versão digital segura para que todas as partes da cadeia possam acessar  e automatizar suas tarefas.

Como exemplo, temos o O Barclays Corporate Bank que utiliza smart contracts para registrar mudanças de propriedade e transferir dinheiro para outras instituições financeiras automaticamente após aprovação.

No ramo Automotivo

Em um futuro completamente automatizado, teremos celulares inteligentes, óculos inteligentes e carros também inteligentes. O Google está chegando cada vez mais perto disso.
Em um veículo autônomo ou que estacione por si próprio, os smart contracts ajudariam a detectar quem foi o culpado em uma possível batida no trânsito, seja o próprio sensor ou então o motorista.
Usando smart contracts, uma companhia de seguros de automóveis pode cobrar taxas de maneira diferente com base no local e nas condições que os clientes estiverem dirigindo seus veículos.

Ramo Imobiliário

Quando você precisa alugar um imóvel para outra pessoa, normalmente é necessário que pague para uma imobiliária anunciá-lo para depois pagar outra pessoa para que os pagamentos sejam confirmados e etc. Utilizando a Blockchain, você só precisaria realizar o pagamento via bitcoin, por exemplo, e codificar seu contrato no livro. Tudo estaria visível e você realizaria a transação de forma automática. Donos de imóveis, imobiliárias, empresas de crédito e qualquer outra pessoa deste meio teria sua chance de lucro durante o processo.

Agora vamos aos “problemas”

Apesar de seguros, autônomos e imutáveis, devemos lembrar que os smart contracts são códigos de computador escritos por seres humanos. Com isso, erros de digitação ou falta de conhecimento avançado podem trazer riscos futuros como problemas de vulnerabilidade e alguns bugs. O correto é que sejam criados e implementados por programadores experientes, principalmente quando esses contratos envolvem informações confidenciais ou quantias de dinheiro.

Já algumas pessoas alegam que não existe a necessidade real de se executar smart contracts por conta de sistemas centralizados já conseguirem entregar as soluções que lá estão sendo oferecidas. Além disso, muitos questionam o fato de sua imutabilidade.

Um caso curioso aconteceu em uma Organização Autônoma Descentralizada (DAO) chamada “The DAO”, que acabou sendo invadida em 2016. Neste caso, milhões de éter (ETH) foram roubados devido a falhas no código de seu smart contract. Pelo fato de o mesmo ser imutável, os desenvolvedores não conseguiram corrigir o código. 

Este fato acabou por transformar toda a rede Ethereum, dando luz à sua segunda Blockchain, onde os danos causados pelo hackeamento foram revertidos e os valores foram devolvidos aos seus proprietários.

É importante deixar claro que que o problema não foi causado por uma falha da Blockchain Ethereum, mas sim, por uma má implementação dos códigos de um smart contract.

Outra parte em que deve-se ter atenção é no que se refere a legalidade destes smart contracts. Muitos governos ainda tem dúvidas de como regularizar isso, já que cada país tem suas próprias leis em relação a contratos e toda a parte legal que os envolvem.

Como exemplo podemos usar os contratos que exigem que as partes tenham mais de 18 anos para que seja possível a realização de um negócio. Por conta do pseudo anonimato dentro da Blockchain, isso acaba se tornando um “desafio”, já que seria difícil reconhecer uma pessoa lá dentro.

Mas e agora?

É certo que os smart contracts tem potencial para substituir e automatizar muitos dos sistemas atuais que trazem uma grande burocracia e gastos desnecessários na hora de realizar qualquer processo. Porém, ainda existem muitas barreiras que o fazem estar longe de ser uma ideia totalmente aceita pelo mercado. Inclusive suas características de segurança acabam por deixá-lo pouco menos atraente em alguns casos, já que nem todas as empresas estariam prontas para algo distribuído e imutável desta forma. A transparência de sua tecnologia e leitura de dados acabaria com muitos esquemas por aí, mas, ao mesmo tempo, poderia ir contra os interesses das empresas.

Como toda nova tecnologia, junto dela vem um certo medo e espanto por parte de quem não a conhece, ainda mais no caso de ser uma solução para “problemas que não existem”, já que as empresas estão acostumadas com com as alternativas convencionais de controle como os quilos e mais quilos de papéis mais ou menos organizados dentro de um gaveteiro de metal.

Apesar disso, os smart contracts revolucionaram o uso da tecnologia da Blockchain e trouxeram grande avanço no mercado de criptomoedas. E de certo, no futuro poderão atender diversas áreas do mercado no futuro. De serviços financeiros a cadeia de suprimentos.

O que nos resta é trabalhar e fazer parte dessa inovação.







Ulterior States – Documentário

Nome: Ulterior StatesDuração: 52 minutosEstúdio: IamSatoshi Sinopse: Ulterior States foi produzido por IamSatoshi, em um projeto documental argumentativo que responde uma dúvida comum ao ecossistema de criptoativos:

Leia mais »

O que são Smart Contracts?

Antes de mais nada, é importante dizer que já que estamos inseridos no universo das criptomoedas, utilizaremos a definição de smart contracts dentro desse contexto

Leia mais »

Receba nossas novidades​

Fique por dentro da BOMESP

Coloque seu e-mail e receba notícias semanais sobre criptomoedas e tendências do mercado

Saiu na Mídia

logo-bomesp-brasil-branco-alt

Sobre a BOMESP

Com foco em tornar a Economia Distributiva mais acessível, a BOMESP existe para trazer o que há de mais novo e completo quando se fala em Criptoativos Empresariais e Soluções em Blockchain.

Assessoria de Imprensa: Key Press Com
Beatriz Marques Dias
[email protected]
Tel. +55 (11) 3266-3638 | Cel. +55 (11) 99340-5722